Thumb Emocional

Como mergulhar no seu mundo das emoções?

Como mergulhar no seu mundo das emoções?
Você age com inteligência emocional?
Como tem expressado sua gratidão?

Vamos voltar ao passado no intuito de resgatar desde quando havia um interesse pelos orientais nos anos 400 por estudos sobre a inteligência, com objetivo de resolver os dilemas na época, mas somente no século XX que os estudiosos e pesquisadores desvendaram os mistérios e grandes descobertas foram apresentadas ao mundo. O trabalho do psicólogo francês Alfred Binet após muitos estudos conseguiu aperfeiçoar os testes utilizados pelos orientais e criou os conhecidos e famosos testes de QI (quociente de Inteligência), que serviam para identificar quais alunos precisavam de esforços adicionais nos estudos.  Então, neste primeiro momento eram utilizados para fins educacionais.

As descobertas continuaram acontecendo nas próximas décadas, e compreendeu-se que a inteligência humana avaliada-medida com os resultados destes testes. Mas, nas três décadas seguintes tivemos mais um grande marco neste sentido, que comprovaram que os testes de QI avaliam, basicamente, a capacidade de raciocínio lógico.

Importante é perceber que o início do processo tinha sido desvendado, e a partir daí, foram agregando pesquisas e  o psicólogo e professor norte-americano chegou-se a conclusão de que  existem várias inteligências. Então, GARDNER, Howard (1983) criou e apresentou-se a Teoria das Inteligências Múltiplas obra Frame of Mind, a revolucionou tanto na área educacional e no corporativo. “ e disse: Poucos gênios são gênio em tudo”.

Com esta declaração é notório percebemos que somos todos inteligentes, mas desenvolvemos algumas das inteligências que temos, e isso nos diferencia uns dos outros, e só nos tornamos hábeis naquilo que escolhemos para desenvolvemos nossos potenciais, sabendo que estas estão interligadas.

Seguindo nossa jornada, o mesmo GARDNER, Howard (2005) em sua obra  Mentes que Mudam – a arte e a ciência de mudar as nossas ideias e as dos outros  diz “que o pensamento real ocorre em diferentes formatos, que para serem “entregues”, precisam de outros órgãos e transcendem-no de maneiras importantes”. Diz ainda, que é difícil mudar a mente das pessoas, pois “a inteligência é (conceito), como ela opera (uma teoria) e como avaliá-la (uma habilidade)”.  Já o matemático e pensador Albert Einstein aput GARDNER (2005) fala que o pensamento é vital e ocorre em imagens “do tipo visual, muscular e corporal”, citado pelo autor acima, quando explica suas descobertas.

Ainda de forma mais prática e usual atualmente chamamos de sistemas representacionais que nos comunicamos de forma visual, auditiva ou sinestésica, usamos nossa fisiologia corporal (corpo e mente fazem parte do sistema cibernético), segundo VIEIRA (2015) que “Quem controla sua fisiologia corporal controla seus pensamentos e sentimentos e, consequentemente, controla a sua vida e seus resultados, e demonstra que: “A matriz de formação de crenças que contempla: Comunicação (1) positiva e alegre  produz um estado interno que gera pensamentos (2) vitoriosos, que por sua vez concluem o ciclo neurofisiológico, produzindo sentimentos (3) também vitoriosos. Concluímos este entendimento que todo sentimento perpetuado produz crenças, e toda crença (4) é autorrealizável”.

De forma brilhante e profunda o psiquiatra, pesquisador e escritor Augusto Cury, em suas diversas obras fala de sua nova teoria sobre o funcionamento da mente, a construção de pensamentos e o processo de formação da personalidade, chamada Psicologia Inteligência Multifocal (mescla entre psicologia, pedagogia, sociologia e filosofia), que visa estimular a arte de pensar em nós humanos.

E como estamos falando que mudança é uma pré disposição e exige esforço, conhecimento e aplicação prática (vivenciar novas formas de vida), então, é fundamental que tenhamos a compreensão de somos uma sociedade de doentes emocionais”, e que Cury (amostra grátis), esclarece ainda que o significado do pão, pode ser caracterizado por três classes: espiritual, físico e psicológico.

Aqui vamos se focar ao psicológico que nós humanos temos muito a compreender que há mais de 8 bilhões de seres humanos psiquicamente famintas. Explicando melhor famintos de carinho, amor, prazer, tranquilidade, autoestima, emoções equilibradas, estáveis e satisfatórias. Já somos doentes e mendigamos alegria, bem estar e felicidade, e clamamos por amor.

Quando o psicólogo e pesquisador GOLEMAN, PhD (1995) apresentou a maneira de pensar a inteligência mudou o mundo da educação e dos negócios, mas apresentou magnificamente o QI (quociente  de Inteligência) que representa o nosso lado esquerdo do cérebro-razão e o Livro  Teoria da Inteligência Emocional (quociente emocional) que representa o nosso lado direito do cérebro-emoções, ficam mais evidentes  importância da inteligência emocional.

Em se tratando de emoções, precisamos conhecer, sentir e ensinar nossos próximos a reduzirem suas insatisfações e necessidades que os tornam frágeis e doentes emocionais.

Importante é ter a autoconsciência – reconhecer o que sentimos e quando vem ocorrendo; O lidar com as emoções, ora se sabemos o que sentimos como enfrentamos este sentimento, de forma positiva ou negativa, aprendemos ou resistimos com ele? Que motivação nos move nessa busca de mudanças ? e temos nossas percepções e conseguimos reconhecer as emoções nos outros ? Nossa escuta é ativa e consciente ? Somos empáticos nos relacionamentos? Nossas aptidões e eficiência interpessoal, de liderança, conflitos e interação, são com arte de relacionamentos?

BECK aput KNAPP (2008) fala de distorções cognitivas em sua TCC (já apresentadas na introdução desta pesquisa), são oito delas que nos afetam na forma de relacionarmos e se não tivermos a autoconsciência destas, nossos relacionamentos e emoções será afetadas negativamente para nosso processo de mudanças. Para fazemos essa identificação temos que nos perguntar; “O que está passando no nosso pensamento?”, e assim posso fazer o registro respondendo as quatro questões: Qual  é a situação ? Que pensamento automático temos ? que emoções estamos sentindo ? Que distorção podemos identificar ?  Que resultado estamos produzindo ?  E aí podemos concluir

Com esses embasamentos ainda podemos nos questionar: Temos uma vida equilibrada no que tange nossas emoções. Percebemos que vivemos com alegria? Como esta nosso entusiasmo  frente aos desafios da vida? Nossa autoestima vai bem ? E com nossas ansiedades, angústias e depressões  as reconhecemos? Enfrentamos a vida ou somos vítimas? sabemos controlar nosso emocional  nosso  mundo interior é o reflexo do exterior, e como nos encontramos agora  Nos sentimos maduro e centrado, possuímos domínio? Quando recebo estímulos externos, como reajo? Nos permitimos se desestabilizar ou buscamos nossos recursos internos ou ainda nos preservamos.  Nossas crenças são claras na área emocional, são fortalecedores no caminho das prosperidades ou limitantes no caminho do insucesso e ao fracasso.  Onde estamos? Somos nós mesmos que fizemos as nossas escolhas e se estamos aqui, é porque fomos nós que se colocamos aqui.

Segundo OSHO (2006) na obra EMOÇÕES – Liberte-se da Raiva do Ciúme, da Inveja e do Medo, é clarificado que são sentimentos apenas, q que não existe o bom e o ruim, apenas aprendizados com eles. Como percebê-los e sair deles.

Para vivermos uma vida estável, equilibrada e feliz tenhamos que ter sabedoria para buscarmos o nosso autoconhecimento, conhecimentos técnicos sobre emoções, mas acima de tudo sabermos identificar, como lidarmos e controlarmos o que sentimos. Já aprendemos que nós fazemos nossas escolhas, então eu, não decido sentir tal emoção, mas posso escolher sair dela ou permanecer desta emoção.

Quanto maior e desenvolvida for nossa Inteligência emocional, mais somos donos de si, melhor interagimos com os outros e vivemos na plenitude do amor que gira em torno de tudo e todos, e em todas  áreas da vida.

Precisamos AMAR e sermos AMADOS, como o mestre dos mestres nos ensinou: “Amei uns aos outros como Eu vos amei”.  E aí finalizamos com o pensamento de Horace Walpole que diz; “A vida é uma comédia para os que pensam e uma tragédia para os que sentem”.

DILTS, Robert & HALLBOM, Tim & SMITH, Suzi (1993), na obra Crenças – Um caminho para saúde e o bem estar, desvendam todo processo de identificação, mostram o modelo da mudança que é “estado atual (problema + recursos = Estado Desejado”, bem como todo processo de comunicação e atrelando a PNL.

Nossas emoções são fundamentais em nossa vidas, sejam elas negativas – o que devemos aprender com elas e sendo positivas – quero senti-las em plenitude e, simplesmente vivê-las.

Atualmente, temos muitas ferramentas, filosofias e formas de trazer estas emoções à tona, para que assim possamos ter o domínio delas e usarmos conforme nos dispusermos ao nosso mundo de liberdade interior.

Nossas escolhas devem ser as mais inteligentes possíveis, sabemos que nossos caminhos são feitos por etapas, então façamos uma jornada maravilhosa neste mundo edificando sempre a nós mesmos e aos que nos cercam.

Felicidade é estar no presente!

Dica Extra

Acesse nosso Blog e confira:

Estude, se inspire e inicie imediatamente o seu planejamento de uma transformação na sua carreira.

Por Marli Paink Coaching.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Open chat
1
Olá!!! Precisando de ajuda? Envie sua mensagem!